Serviços
Escola de Química da UFRJ
Serviços WebMail Área Restrita

Homenagens e Memória

Homenagens
Memória
Professores Eméritos
  • Adelaide
  • Carlos Russo
  • Medronho
  • Nei
  • Rajagopal
  • Moritz
Medalha Minerva de Mérito Acadêmico
Homenagem à Profa. Cheila Gonçalves Mothé

Profa. Cheila Gonçalves Mothé

Prof. Cheila G. Mothé was a Titular Professor of School of Chemistry at the Federal University of Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil; Regional Editor of Journal of Thermal Analysis and Calorimetry; CNPq Ad Hoc Consulter; Fellow of the African Scientific Institute; President of the Brazilian Association of Rheology; President of Brazilian Association of Thermal Analysis and Calorimetry. Prof. Cheila was a leading scientist and educator in technological characterization by thermal analysis and rheology. The scope of Dr Mothé's research during her years as professor included technological characterization by thermal analysis; polymer composites with Brazilian vegetal fibers; study and characterization of natural products; kinetic study by thermal analysis; rheological behavior of polysaccharides; energetic potential associated with residues from biomass; thermal characterization and application of asphalt binders, biodiesel and heavy oil.

She started her academic journey back in the early 1970s in R. Federal University of Rio de Janeiro, graduating in chemical engineering. In 1976, she was invited by the reputed Titular Professor Paulo Costa Pereira to be an Assistant Professor at the Department of Technological Chemistry. Due to her outstanding ability at experimental work both in laboratory and in pilot scale in the area of Organic Processes at UFRRJ, in 1983 Prof. Cheila was offered a position as a Full Professor in the School of Chemistry in UFRJ, Rio de Janeiro. She dedicated most of her research to studying polymers, polysaccharides and development of sustainable materials. One of her major accomplishments can be attributed to the Anacardium occidentale L., mostly known as cashew, in which she performed an extensive study about its different parts including cashew nut shell liquid (CNSL), pseudofruit, exudate and cashew gum.

She obtained her master's degree in Science, from IMA/UFRJ, in 1981, under the mentorship of Prof. Chaki Azuma, conducting her work about the synthesis of photosensitive polymers, an innovative subject at the time.

She worked actively during her whole life at university, dedicating herself to teaching, with more than 10,000 h of class time, and to encouraging her students to believe in the importance of a good and ethical scientific research to promote the technical scientific development of the country.

In the year of 1992, she obtained a DSc. from the University of São Paulo, Brazil/University of the Air, Japan, having her thesis entitled "Synthesis, characterization and thermoanalytical study of phenolic resins isolated from cashew nut shell liquid." She had the mentorship of the prestigious Prof. Ivo Giolito, who was one of the pioneers of the introduction and dissemination of thermal analysis in Brazil.

In the early 1990s, besides all responsibilities as a university professor and researcher, Dr. Mothé assumed some diverse administrative roles, such as Substitute Member of the Deputy Professors' Representative to the School of Chemistry Congregation, Chair of the Organic Process Department at UFRJ, and Coordinator of the XIV UFRJ Scientific Initiation Meeting for undergraduate courses of the Federal University of Rio de Janeiro. Prof. Cheila also was one of the main responsible persons for revitalizing the research and experimental classes laboratories of the Organic Processes Department in School of Chemistry.

After her efforts for fund-raising through scientific projects, these laboratories now have high precision equipments with thermogravimetric analyzers, polymerization reactors, viscometers, among others.

She did her first postdoctoral training at Cornell University, New York, USA, in 1998, at the Food Science Department headed by awarded Emeritus Professor M. Andy Rao. She wanted to investigate and understand better how rheological properties influenced the behavior of polysaccharides, especially that of cashew gum. One of her publications that was produced from that period had a very positive repercussion on the rheology field entitled "Rheological behavior of aqueous dispersions of cashew gum and gum arabic: effect of concentration and blending" (1999).

In the 2000s, Prof. Mothé played a key role in mentoring some projects, which led to some of her most significant findings related to proving the effect of cashew gum as a promoter in the reduction of arterial hypertension in spontaneously hypertensive rats. Another significant development of this research was the intraperitoneal application of cashew gum in sarcoma-180, implanted into young Swiss albino mice. The dose of cashew gum exhibited high tumor inhibition, with result published in the article "Antitumor activity of cashew gum from Anacardium occidentale L." It was certainly a extraordinary result.

The publication of the textbook "Thermal Analysis of Materials" in 2002, having the 2nd edition published in 2009, certainly solidifies Prof. Cheila's contribution about some of her most relevant experimental research regarding thermal analysis to the Brazilian scientific community.

At Cleveland State University (Ohio, USA) in the year of 2003, she went on to do her second postdoctoral training under the guidance of Professor Alan Riga, to study thermal analysis of polymeric bio-membranes.

Prof. Cheila has always been aware of her role in society, and for this reason, she has been effective in social projects in outreach activities. She participated in the installation of workshops in communities to obtain soap (1986), gave lectures to detained juvenile offenders (1996 and 2005), participated in a project to implement small brick yard for the construction of popular houses (2002), and conducted training for the community of low income in the production of cleaning products (2004).

The year 2005 was a very unique year in Prof. Cheila's professional career. She became the first black titular female professor at UFRJ approved by public concourse. Her accomplishment will be registered in the history of the university as an example of hard work, dedication, resilience and courage. It was a productive period from 2009 to 2011 as she authored 24 scientific journal publications based on those 3 years of work.

Her professional activities, besides a Full Professor at university, included Regional Editor of J. Therm. Anal. Cal (2012–2020); NATAS Member and Volunteer (2001–2017);

Honorary Member of the Group of the Hungarian Chemical Thermoanalytical Society, Budapest, Hungary (2010); CNPq Ad-Hoc Consulter for more than 10 years; Fellow of the African Scientific Institute (2011–2020); President and Vice-President of the Brazilian Society of Science and Technology RJ Food Regional (2007–2017); Founder and President of the Brazilian Association of Rheology (2010–2020); Vice President of Brazilian Association of Thermal Analysis and Calorimetry (2008–2016); President of Brazilian Association of Thermal Analysis and Calorimetry (2016–2020); Coordinator of three laboratories: Natural and Synthetic Polymers Technology, Rheology Laboratory and Thermal Analysis Laboratory at UFRJ, Brazil.

She received many awards during her whole life, confirming her excellence in research: Metanor/Copenor de Química Award (1986); Honorable Mention (1986, 1989, 1994, 1996, 1997, 2000, 2002, 2005, 2011, 2013 and 2017); Chemical Award of the Year and Medal (2006) by CRQ-Brazil; 1st place XI Award Abrafati-Petrobras Science in Paint (2008);

Leopoldo Hartmann Award (2010); Oscar Niemeyer Award de Trabalhos Científicos e Tecnológicos - CREA-RJ (2013); Inovação ValorPneu Award (2nd place, 2015), Lisbon, Portugal; 16th ICTAC Award, FL/USA (2nd place, 2016).

During her life, she had more than 400 works published in national and international journals and congresses; supervised more than 50 MSc. and PhD. dissertations and more than 120 undergraduate students; she was the author of 10 books and deposited over 10 patents.

Dr. Mothé was very much admired by her colleagues, students and acknowledged by her many accomplishments.

Prof. Cheila had a brilliant mind, like a true alchemist. And at the same time, she was a humble person, kind with a generous heart, to assist anyone who asked for her guidance.

She is survived by her two daughters Michelle and Danielle and her husband Heitor. She always will be remembered as a person full of life.

Fonte: Journal of Thermal Analysis and Calorimetry
https://doi.org/10.1007/s10973-020-09715-7

References

  • MOTHÉ, C.G. & Azevedo, A.D. "Thermal Analysis of Materials - Análise Térmica de Materiais", 2a ed., editora Art liber Ltda, 324 pg, ISBN 978-85-88098-49-7 (2009).
  • MOTHÉ, C. G. ; CORREIA, D. Z.; Francisca P. França. Thermal and Rheological Study of Polysaccharides for enhanced Oil Recovery. J. Therm. Anal. Cal, v. 85, pp.31–36 (2006).
  • MOTHÉ, C. G.; ARAÚJO, C. R. Properties of polyurethane elastomers and composites by thermal analysis. Thermochimica Acta , v. 357–358, pp. 321–325 (2000).
  • MOTHÉ, C. G.; RAO, M. A. Rheological behavior of aqueous dispersions of cashew gum and gum arabic: effect of concentration and blending. Food Hydrocolloids, v. 13, pp. 501–506 (1999).
  • MOTHÉ, M.G.; CARVALHO, C.H.M., SÉRVULO, E.F.C. & MOTHÉ, C.G., "Kinetic study of heavy crude oils by thermal analysis", J. Therm. Anal. Cal, https​://doi.org/10.1007/s1097​3-012-2574-1 (2012).
  • MOTHÉ, C.G., MIRANDA, I.C. "Decomposition through pyrolysis process of coconut fiber and rice husk and determination of kinetic parameters according iso-conversional methods", Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, https://doi.org/10.1007/s10973-017-6377-2, ISSN: 1388-6150 (2017).
  • MOTHÉ, C.G. and FREITAS, J.S. "Lifetime prediction and kinetic parameters of Thermal decomposition of cashew gum by thermal analysis" Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, https​://doi.org/10.1007/s1097​3-017-6844-9 (2017).
Homenagem da RQI-757 ao Prof. Carlos Augusto Guimarães Perlingeiro

Prof. Carlos Augusto Guimarães Perlingeiro

Nascido em Castro, município localizado no Estado do Paraná, em 1938, veio ainda jovem para o Rio de Janeiro, onde concluiu seus estudos científicos (atual ensino médio) no Colégio Santo Agostinho, localizado no Leblon, bairro da zona sul da cidade.

Após passar no concorrido vestibular de acesso à Escola Nacional de Química da Universidade do Brasil (atual Escola de Química da UFRJ) em 1957, diplomou-se em Química Industrial (1961) e no ano seguinte em Engenharia Química. Nessa época, atuou como monitor na disciplina Aparelhos e Operações Industriais, ministrada pelo Prof. Alberto Luis Galvão Coimbra, ocasião em que este organizava um mestrado em engenharia química nos moldes norte-americanos para formar professores de dedicação exclusiva (eram todos de tempo parcial) e engenheiros criativos para a indústria. Aprovado em concurso para a Petrobras, declinou em prol do curso de mestrado em engenharia química. Segundo o próprio Perlingeiro, "Aqui começava a minha carreira de Professor. E eu não sabia...".

Logo depois, ele participou do seminário "Use of Computers in Engineering Education", promovido pela National Science Foundation. Seu objetivo: incentivar o uso de computação no ensino de engenharia. Perlingeiro percebeu que precisava incentivar o uso dessa ferramenta nova no meio acadêmico àquela época. Com o apoio do Prof. Coimbra, foi aos Estados Unidos (Universidade de Houston, Texas) onde fez um curso de computação por dois meses, em meio a um grupo de 50 professores de universidades norte-americanas e estrangeiras.

De volta ao Rio de Janeiro, Perlingeiro iniciou o seu mestrado em Engenharia Química em 1963, na então Divisão de Engenharia Química do Instituto de Química da Universidade do Brasil.

A dissertação "Configuração do Escoamento Axissimétrico por Computador Digital", a primeira computacional da UFRJ, foi defendida em 1964. Junto à Direção da então Escola Nacional de Química, foi, talvez, o pioneiro no país a introduzir a computação como disciplina obrigatória no currículo de Engenharia Química. Não havendo literatura disponível em português, foi o autor de "Introdução à Comunicação com Computadores Digitais", o primeiro texto estruturado em nossa língua sobre programação para computadores.

De 1965 a 1968, Perlingeiro fez seu doutoramento (PhD) no Stevens Institute of Technology (EUA). Retornando do doutorado, dividia seu tempo entra a já Escola de Química da UFRJ e a Coppe. A área de planejamento de processos lhe atraiu a atenção por ser algo inovador no âmbito do ensino de engenharia química no país; sua experiência neste campo lhe permitiu organizar disciplinas de graduação (Escola de Química) e de pós-graduação (Programa de Engenharia Química da Coppe - PEQ/Coppe), e redigir a obra "Engenharia de Processos - Análise, Simulação, Otimização e Síntese de Processos Químicos" (Editora Edgard Blücher, 2005). Foi ainda editor do livro "Biocombustíveis no Brasil, Fundamentos, Perspectivas e Aplicações" (Synergia, 2014).

Na Escola de Química da UFRJ, ministrou disciplinas para mais de 2.900 alunos de graduação. Na Coppe, orientou 37 dissertações de mestrado e duas de doutorado.

Dentre os vários cargos que assumiu ao longo de sua carreira acadêmica, foi Coordenador do PEQ/Coppe (1969-1974 e 1995-1996), Diretor Adjunto (1971-1974) e Diretor da Escola de Quimica (1998-2001). Foi agraciado com o título de Professor Emérito da UFRJ em 1997. O laboratório do "Grupo de Integração de Processos Químicos" (GIPQ, http://www.gipq.com.br), leva o seu nome. Nos ultimos anos, atuava como professor colaborador voluntário (graduação e pós-graduaçãoe commo professor visitante do Programa de Recursos Humanos PRH-ANP/MCTI (PRH-13), sempre na Escola de Química.

Fora da rotina acadêmica, Perlingeiro se dedicava com regularidade à prática esportiva (futebol e vôlei). Seu estilo diplomático e elegante de se relacionar com as pessoa era uma marca inconfundível de sua persolidade. Sua atuação acadêmica revela um espírito de cooporeração innstitucional.

Carlos Augusto Guimarães Perlingeiro faleceu no dia 26 de outubro do corrente, deixando um legado de dedicação e um exemplo de trajetória profissional para todos nós.

Fonte: RQI - 757 - Pioneiros da Química

  • Moção de Pesar: Profa. Cheila Mothé

    Profa. Cheila

    A Egrégia Congregação da Escola de Química, reunida em 24 de abril de 2020, solidarizando-se com o Departamento de Processos Orgânicos, família e amigos da Professora Titular Cheila Gonçalves Mothé, manifesta seu profundo pesar pelo seu falecimento ocorrido no dia 24 de fevereiro deste ano.

    Leia mais
  • Moção de Pesar: Prof. Osvaldo Galvão

    Prof. OsvaldoA Congregação da EQ propõe, na forma regimental, MOÇÃO DE PESAR pelo falecimento do professor Osvaldo Galvão Caldas da Cunha, docente do Departamento de Processos Inorgânicos e ex-diretor da EQ, ocorrido no dia 09/06/2019.

    Leia mais
  • Moção de Pesar: Profa. Eloísa Mano

    Profa. Eloisa ManoA Congregação da EQ propõe, na forma regimental, MOÇÃO DE PESAR pelo falecimento da Profa. Eloisa Biasotto Mano, professora emérita da UFRJ, no dia 08/06/2019. Expressamos toda a nossa tristeza e comoção pela perda dessa grande mulher.

    Leia mais
  • Moção de Pesar: Prof. Affonso Telles

    Prof. Affonso Telles A congregação da Escola de Química, reunida em 22 de fevereiro de 2019, com pesar e tristeza lamenta o falecimento do professor Emérito Affonso Carlos Seabra da Silva Telles, no dia 12 de fevereiro de 2019.

    Leia mais
  • Moção de Pesar: Prof. Benjamin Valdman

    Com profundo pesar e tristeza a Congregação da Escola de Química lamenta o falecimento do Prof. Benjamin Valdman, professor aposentado e diretor de nossa Unidade no período de 1986 a 1989.

    A Comunidade da Escola de Química externa os mais sinceros pêsames à família neste momento tão difícil. Não existe partida para aqueles que permanecerão eternamente em nossos corações, e com certeza o Prof. Benjamin está no coração de muitos que tiveram a oportunidade de conviver com ele.

  • Moção de Pesar: Prof. Perlingeiro

    Perlingeiro Com profundo pesar e tristeza que a congregação da Escola de Química, reunida em 10 de novembro de 2017, lamenta o falecimento do Prof. Carlos Augusto Guimarães Perlingeiro no dia 26 de outubro.

    Leia mais

Moção de Pesar - Profa. Cheila Gonçalves Mothé

A Egrégia Congregação da Escola de Química, reunida em 24 de abril de 2020, solidarizando-se com o Departamento de Processos Orgânicos, família e amigos da Professora Titular Cheila Gonçalves Mothé, manifesta seu profundo pesar pelo seu falecimento ocorrido no dia 24 de fevereiro deste ano.

A Professora Cheila tinha muito orgulho de ter sido a primeira professora titular negra por concurso público na história da UFRJ. Ela começou sua trajetória acadêmica no início dos anos 1970, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, obtendo seu diploma de graduação em Engenharia Química, em 1975. Iniciou sua carreira acadêmica na mesma Universidade em 1977, como Auxiliar de Ensino I. Em 1983, obteve seu título de mestre em Ciência de Polímeros no IMA/UFRJ, sob a orientação do Prof. Chaki Azuma. Também em 1983, a convite dos professores Gabriel Francis (Chefe do DPO/EQ) e Raphael Armando Cresta de Barros (DPI/EQ), transferiu-se para a Escola de Química da UFRJ, onde continuou sua brilhante carreira. No ano de 1992, ela obteve seu título de Doutora em Ciências pela USP – Brasil/University of the Air – Japão, orientada pelo saudoso Prof. Ivo Giolito.

Ela também realizou dois pós-doutorados em Cornell University/USA (1998), em Reologia de Polissacarídeos, e em Cleveland State University/ USA (2003), em Análise Térmica de Biopolímeros.

A Profa. Cheila contribuiu ativamente para a disseminação do conhecimento em Engenharia Química, trabalhando como docente por 37 anos no DPO da Escola de Química/UFRJ.

Durante toda a sua vida na Universidade, dedicou-se ao ensino, com mais de 14.000 horas/aula, incentivando alunos a acreditarem na importância da ética na pesquisa científica, de modo a promover o desenvolvimento do país.

Durante sua vida publicou mais de 400 trabalhos em periódicos e congressos nacionais e internacionais; orientou mais de 50 Dissertações de Mestrado e Teses de Doutorado e mais de 150 estudantes de Iniciação Científica; foi autora de 10 livros e 10 patentes. Foi pesquisadora PQ/CNPq por mais de 10 anos. tendo recebido diversos prêmios nacionais e internacionais ao longo de sua carreira, dentre os quais destaca-se a Retorta de Ouro e Química do Ano de 2006; promovido pelo CRQ 3 a Região/RJ. Foi Presidente da Associação Brasileira de Análise Térmica e Calorimetria (2016-2020), Membro do African Scientific Institute (2010-2020) e Membro Honorário da Hungarian Chemical Society (2010). Atuou como Regional Editor (2012-2016) e Associate Editor (2018-2020) do Journal Thermal Analysis and Calorimetry. Fundou e coordenou três laboratórios de pesquisa na EQ/UFRJ, Laboratórios de Tecnologia de Polímeros Naturais e Sintéticos, de Análise Térmica Prof. Ivo Giolito e de Reologia Profa. Leni Leite. Seu falecimento representa uma perda incalculável para a pesquisa científica no Brasil e em especial para a área de Processos Orgânicos e Análise Térmica.

A Profa. Cheila foi muito admirada por seus colegas de trabalho, alunos e reconhecida pelas suas inúmeras realizações profissionais. Ela tinha uma mente brilhante, como uma verdadeira alquimista. Ao mesmo tempo, se mantinha humilde e amável com um coração generoso para ajudar a todos que procuravam por sua assistência. A Profa. Cheila nos deixa, mas fica o seu legado, os seus ensinamentos, a sua fé no ser humano, o seu exemplo como profissional, a sua militância em defesa dos direitos dos negros, a sua habilidade de disseminar o conhecimento e seu amor incondicional como mãe. Ela deixa duas filhas, Michelle e Danielle e seu marido Heitor. A Profa. Cheila sempre será lembrada por todos como uma pessoa cheia de vida.

×

Moção de Pesar

Prof. Osvaldo A Congregação da EQ propõe, na forma regimental, MOÇÃO DE PESAR pelo falecimento do professor Osvaldo Galvão Caldas da Cunha, docente do Departamento de Processos Inorgânicos e ex-diretor da EQ, ocorrido no dia 09/06/2019.

Prof. Osvaldo Galvão graduou-se em Engenharia Química pela Escola de Química (1970) e obteve o seu doutorado no Imperial College em Londres, em 1977. Ingressou como docente na Escola de Química em 1993, tendo sido vice-diretor e diretor de nossa Escola e por várias vezes chefe do Departamento de Processos Inorgânicos. Atuou na graduação e pós-graduação, tendo orientado alunos de Mestrado e Doutorado nas áreas de Processos Inorgânicos e Metalurgia. Teve atuação fundamental na integração dos membros do Departamento de Processos Inorgânicos, sempre visando à harmonia e proporcionando um ambiente de cordialidade e companheirismo.

Sua morte enluta não somente seus familiares e amigos, mas toda a nossa Escola que lamenta a perda de uma pessoa tão agradável ao nosso convívio e que sempre buscou um ambiente cordial no nosso dia a dia.

Aos seus familiares, principalmente à sua esposa e seus filhos, nossas sinceras condolências reiterando que esta Congregação não poderia deixar de se associar ao seu pesar. Manifestamos nosso profundo sentimento, desejando conforto aos corações de seus entes queridos.

×

Moção de Pesar

Profa. Eloisa Mano A Congregação da EQ propõe, na forma regimental, MOÇÃO DE PESAR pelo falecimento da Profa. Eloisa Biasotto Mano, professora emérita da UFRJ, no dia 08/06/2019. Expressamos toda a nossa tristeza e comoção pela perda dessa grande mulher.

A professora Eloisa Mano dedicou sua vida pela ciência de nosso país e como servidora pública foi, além de dedicada professora, uma visionária para a pesquisa no Brasil.

Egressa da Escola de Química, onde diplomou-se em Química Industrial (1947) e Engenharia Química (1955), a professora foi docente da EQ entre 1959-1966 e também a responsável pela criação do primeiro Grupo de Pesquisadores em Polímeros no Brasil (1968), que deu origem ao atual Instituto de Macromoléculas, IMA/UFRJ, o qual, em 1994, teve o nome modificado em sua homenagem para Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano.

É imperioso destacar a excelência profissional que a engrandeceu durante toda a sua vida, firmando-se como uma das pessoas mais importantes no Setor de Polímeros no Brasil e no exterior. Profa. Eloisa é dessas figuras cuja trajetória serve de paradigma para todos aqueles que buscam através da persistência e seriedade, ser útil a todos.

Assim, neste momento, entristecidos, oferecemos nossas condolências aos familiares, amigos do IMA e da professora Eloisa, expressando nosso profundo pesar pelo seu falecimento.

×

Moção de Pesar

Prof. Affonso TellesA congregação da Escola de Química, reunida em 22 de fevereiro de 2019, com pesar e tristeza lamenta o falecimento do professor Emérito Affonso Carlos Seabra da Silva Telles, no dia 12 de fevereiro de 2019.

O Prof. Affonso Telles ingressou como docente no PEQ/COPPE, em 1963, onde permaneceu até 1971, quando pediu demissão por não concordar com a intervenção que afastou o Prof. Coimbra da Direção da COPPE.

Realizou seu doutorado na University of Houston System, entre 1964 e 1967, tendo realizado um pós-doutorado em 1970 no Emperial College. Foi Coordenador do Programa Pró-Energia, da FINEP, de 1975 a 1976. Foi Diretor do CNPq de 1977 a 1979 e trabalhou na empresa Scientia Engenharia, de 1979 até 1988, quando retornou como docente ao PEQ/COPPE.

Em 1993, fez concurso para Prof. Titular da Escola de Química, passando a atuar em tempo integral nessa Unidade. Por quatro anos foi Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia dos Processos Químicos e Bioquímicos da EQ/UFRJ, atual EPQB, tendo sido muito importante na consolidação do Programa quando passou a envolver toda a Unidade e também na sua preparação para a obtenção do Conceito 6 na CAPES.

Prof. Telles aposentou-se em fevereiro de 2006 e foi indicado para Professor Emérito da UFRJ pela congregação da Escola de Química. Esta indicação foi aprovada pelo Conselho Universitário da UFRJ em maio de 2007.

×

Prof. Affonso Telles

Prof. Affonso Telles

×

Moção de Pesar

PerlingeiroCom profundo pesar e tristeza que a congregação da Escola de Química, reunida em 10 de novembro de 2017, lamenta o falecimento do Prof. Carlos Augusto Guimarães Perlingeiro no dia 26 de outubro. O Prof. Perlingeiro sempre atuou no ensino de graduação em nossa Escola, introduziu o ensino de computação em nossa Escola, assim como, também de forma pioneira, o oferecimento da disciplina Engenharia de Processos, para a qual redigiu um livro texto muito utilizado em nosso país. Era professor emérito da UFRJ, foi diretor de nossa Unidade no período 1998 a 2001 e acompanhou o início das atividades do Programa de Engenharia Química da COPPE, onde também atuou por um longo período.

A Escola de Química externa os mais sinceros pêsames a família neste momento tão difícil. Que as melhores lembranças de sua presença perpetuem em nossos corações e na memória de todos que tiveram a oportunidade de conhecê-lo e conviver com ele.

×

Prof. Perlingeiro

Perlingeiro

Que as melhores lembranças de sua presença perpetuem em nossos corações e na memória de todos que tiveram a oportunidade de conhecê-lo e conviver com ele.

×

Indicação à Medalha Minerva de Mérito Acadêmico

Isaac Plachta: Uma Vida Dedicada à Química

Isaac Plachta é brasileiro, carioca, casado, pai de três filhos, seis netos e dois bisnetos.

É filho de um barbeiro e de uma manicure, poloneses, que chegaram ao Brasil durante a 2ª Guerra Mundial.

A família fixou residência no subúrbio de Higienópolis, no Rio de Janeiro, onde Isaac passou uma infância de extremas dificuldades, realizando seus estudos no Colégio em São Cristóvão.

A alegria sempre esteve presente no humilde lar; mesmo sem condições financeiras favoráveis, Isaac cresceu com o incentivo de estudar.

A sua vertente profissional foi direcionada para a área química, com ingresso na UFRJ (à época, Universidade do Brasil) na graduação de engenharia química e química industrial.

Seu período na Universidade também foi bem difícil, pois em face das dificuldades financeiras de seus pais, não tinha como comprar certos livros e também como custear suas despesas diárias de transporte, tendo que, muitas vezes, dormir no laboratório da Universidade e também usar constantemente a Biblioteca da UFRJ.

Antes de formar-se como engenheiro químico e químico industrial, Isaac encontrava tempo para dar aulas no curso de pré-vestibular da Escola de Química da UFRJ, entre a graduação e seu estágio.

Seu primeiro emprego foi na Refinaria de Manguinhos como engenheiro de turno, onde começa sua trajetória profissional, que passa a ser totalmente dedicada à química, se especializando na área de Refino de Petróleo e na Petroquímica.

Concomitante com o início da sua vida profissional, passou a integrar o corpo docente da Escola de Química da UFRJ, como professor em tempo parcial, dedicando-se por quarenta anos aos seus alunos da cadeira de Termodinâmica, mesmo tendo atribuições no seu trabalho nas empresas.

No período em que atuou como professor universitário, foi agraciado inúmeras vezes como paraninfo, patrono ou ainda como homenageado especial. Foi o professor que mais homenagens recebeu durante sua atividade acadêmica na UFRJ.

Com a sua vivência na academia, Isaac procurou atender a uma demanda do ensino, publicando um livro (editado em 1994) com a temática "Introdução à Petroquímica", permitindo acesso fácil e imediato às informações no campo da petroquímica.

Por sua trajetória na Academia, foi homenageado pela Escola de Química da UFRJ com um complexo anexo na referida instituição de ensino, chamado "Espaço Isaac Plachta" que conta com laboratórios e salas de aulas, além de um local para realização de pequenos eventos acadêmicos. A solenidade foi realizada em 2008 e contou com a presença de diversas personalidades do setor acadêmico e industrial.

Como profissional da química ocupou diversos cargos de prestigio e responsabilidade, tais como:

  • Principal executor do projeto da empresa Prosint, com especialidade na fabricação de produtos petroquímicos básicos;
  • Diretor industrial da divisão química do Grupo Ultra, um dos maiores grupos empresariais brasileiros, com atuação em multinegócios;
  • Diretor da Petroquisa, subsidiária da Petrobrás S/A, atuando no setor petroquímico;
  • Diretor Superintendente da Nitriflex, empresa fabricante de elastômeros;
  • Presidente da Petroflex, especialista na fabricação de elastômeros;
  • Foi Presidente e membro do Conselho de Administração de diversas empresas petroquímicas de grande porte, tais como: Copene, Copesul, PqU, Coperbo, Alcoolquímica, Enia, Nitronor, Espec, Carbonor, Carboderivados, Polibrasil, Metanor, Estireno do Nordeste, Companhia Nacional de Álcalis, Braspol, FCC, Oxiteno, Ciquine, Polipropileno, Polisul, Poliolefinas, Poliderivados, Salgema, Alclor, Deten, Petroflex, CPC e Petrorio;
  • Principal executivo e, posteriormente, Presidente do Conselho de Administração, com participação acionária, da empresa IQT – Indústrias Químicas Taubaté, única empresa no mundo que produz nitrato de propatila, aplicado na indústria farmacêutica como vaso dilatador coronário. Atua também na fabricação de veículos para vacinas, utilizados na indústria veterinária. Desde sua implantação, a IQT foi durante muitos anos a única empresa brasileira produtora de "látex carboxilado", usado como ligante na indústria têxtil e de papel;

Por essa trajetória irrepreensível, Isaac já foi homenageado com diversos prêmios, entre eles, destacam-se:

  • Medalha do Mérito Industrial, concedida pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN;
  • Recebimento da Retorta de Ouro do Conselho Regional de Química da 3ª Região – Rio de Janeiro.
  • Homenagem do setor químico pela sua trajetória à frente do SIQUIRJ (Sindicato da Indústria de Produtos Químicos para Fins Industriais do Estado do Rio de Janeiro).
  • Homenagem da organização do 4º Prêmio Brasil de Meio Ambiente, reconhecendo sua atuação nas causas ambientais à frente do Conselho Empresarial de Meio Ambiente do Sistema FIRJAN.
  • Homenagem do Conselho Federal Química por serviço relevante prestado ao Brasil como Conselheiro do Conselho Regional de Química da 3ª Região.
  • Pela Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, recebeu os seguintes reconhecimentos:
    • Homenagem especial da Diretoria, conferindo Diploma ao Mérito ao ilustre ex-aluno pelas contribuições marcantes na sua atuação profissional;
    • Diploma concedido por ocasião dos 79 anos de fundação da instituição de ensino e 50 anos de colação de grau da turma de 1962.
  • Agraciado com a Medalha Tiradentes em outubro de 2017, a mais alta condecoração concedida pela Alerj.

Atualmente, Isaac Plachta é sócio da empresa IPF Química Empreendimentos e Participações, que tem como objetivo a realização de empreendimentos no setor químico.

Concilia as atividades de sua empresa com a atuação na direção de diversas entidades ligadas ao setor químico como:

  • Presidente do SIQUIRJ (Sindicato da Indústria de Produtos Químicos para Fins Industriais do Estado do Rio de Janeiro);
  • Presidente do Conselho Empresarial de Meio Ambiente do Sistema FIRJAN;
  • Vice-Presidente do Centro Industrial do Rio de Janeiro – CIRJ;
  • Membro do Conselho Diretor da ABIQUIM (Associação Brasileira da Indústria Química);
  • Membro do Conselho Consultivo da Escola de Química da UFRJ;
  • Foi Presidente do Conselho Regional de Química da 3ª Região.

Sua trajetória na química influenciou seu filho na profissão e mais recente um de seus netos.

Isaac Plachta, apesar de seus inúmeros compromissos, hoje como empresário do setor químico, não deixa de estar sempre atento aos clamores do empresariado e da Academia, em especial a Escola de Química da UFRJ.

Em um passado recente, teve uma expressiva atuação na reforma de salas, biblioteca e laboratórios da Escola de Química da UFRJ, conseguindo de empresas e empresários, doações para viabilização das reformas necessárias, proporcionando aos graduandos da referida instituição de ensino melhores condições de estudos em ambientes totalmente reformados.

Isaac tem um espírito empreendedor e está sempre pronto para atender a todos, trajetória que vem desde seus tempos como universitário.

Em face do exposto, fortemente recomendo o nome de Isaac Plachta para receber a Medalha Minerva.

  •  
  • Eduardo Falabella Sousa-Aguiar
    Professor Titular da Escola de Química/UFRJ

Dados complementares

Aposentado em 13 de maio de 1999, como Professor Adjunto IV
Aprovada concessão da Medalha no ConsUni em 25/04/2019.

×

Obs: Para fechar a janela, pressione a tecla Esc, clique fora da janela ou no X no topo direito dela.